Crônicas

O NOSSO DIA DAS CRIANÇAS

No mes das crianças , relembramos momentos da infancia .
As vezes , lamentamos o abraço que não entregamos , mas oportunidades para as boas contribuições humanas aparecem todos os dias e permitem que a gente não deixe nossos desejos amarelarem em um álbum de fotografia.
O rap sempre relata crises existenciais; a vaidade nos faz sentir um vazio que nem mesmo o consumo exagerado é capaz de preencher. Os adesivos que louvam Jesus,alem de decorar carros , também podem ajudar as pessoas , velhas ou jovens , a encarar o dia que vem pela frente enquanto ainda esperam o ônibus no ponto , logo ao amanhecer .
Ser um desconhecido prestativo , as vezes , é mais valido do que ser um aparecido inoperante . Gosto da noite , dos domingos , mas não me sinto feliz vendo os menores abandonados na Praca da Sé , crianças que sentem fome e passam frio na madrugada.
Muitas crianças de outrora ja cresceram , mas ainda brincam de policia e ladrão , infelizmente.
Crianças inocentes , ainda alheias ao mundo da violência , acalmam-se facilmente com doce e pipoca , com futebol e capoeira, risadas e curtição . Saber se despedir da infância é sempre louvável , é preciso estar pronto para os desafios da adolescência e da fase adulta.
Escrevo aqui , mas nao gosto de ir a redação pegar a revista, prefiro comprar na banca , pois volto no tempo e me lembro de como era legal comprar figurinhas de álbum . Sou do tempo em que carros de pancadao não eram moda.
O que rolava eram os beats do Dj Cuca .
Hoje tudo esta mais fácil , levo a minha sobrinha na doceria e ela ja enche a cestinha , bem diferente da minha infância no bairro do Guapiranga, em Lins , Sao Paulo , onde andava com os pés no chão vermelho , como dizem os Detentos do Rap,e comprava goiabada com um carrinho plástico de brinde.
Mas o tempo passa e as coisas mudam. Hoje temos videos bombando no Youtube com relatos de crianças brancas chorando por não serem negras ; no passado nem paquitas pretas como diz mv Bill tínhamos na tela do plim plim.
é ex- baixinhos e baixinhas , houve evolução , mas como diz Mano Brown ,ainda não esta bom , pois ” alguns pretos continuam tristes nos cantos do mundao “”.
Lembrem-se da canção Homem na estrada e reflitam “”o que eles querem ? ” Mais um pretinho privado de sua liberdade ?
Falta de apoio faz crianças irem pra escola pra comer e nada mais. O desrespeito com a comunidade fez muita gente rir , mas depois chorar.
é triste , mas muitas ja se foram por causa do cigarrinho de chocolate com uma criança negra ilustrando o quanto é bom fumar.
O inconsciente coletivo fez surgir esqueletos em decomposição . Sabotage mandou boas energias , dizendo “Sao Cosme Damiao , de a proteção “para as “crianças que não pediram pra nascer “, como versou o grupo Faccao Central .
Bolinha de gude e piao são ideias que inspiraram Thaide , Visao de Rua , em memória de Dina Di , fala em marcas da adolescência , do perigo de gravidez precoce .
Emicida nos alerta e canta que a mesma grana que compra o sexo mata o amor. Eduardo relata o sofrimento de um filho pelo uso de drogas em “Desculpa mae “.
e assim segue a humanidade , crianças nascem e vivem em condições bem precárias .Filhos de pais sofridos tem mais dificuldade em ascender socialmente. Como diria Xis , “eu também quero ver você nascer , crescer, sorrir, chorar , brincar , correr , cair , mas sozinho levantar ”
Gerar uma vida é apaixonante , mas requer responsabilidade.

texto da edição 183 Revista Raça Brasil na qual Fabio Rogerio – Dj Locutor – 105 fm – Espaco Rap foi colunista.

ENVIE SUA MENSAGEM

MAIS DE 20 ANOS DE EXPERIÊNCIA.
FÁBIO ROGÉRIO REALIZA PROJETOS COM VOCÊ